quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Acidente

Paixão decorrente
Desejo latente,
Ilusão dançante
Tempo inconstante
Dias andantes
Noites perturbantes
Com o coração desconcertante.




E. Alvarez

7 comentários:

Lu Olhosde Mar disse...

q lindo!

Monday disse...

E seu não pegasse tanto no batente
Seria mais constante
Eterno visitante
Só pra te deixar contente

Amadeus Lima disse...

Aliviastes os momentos dissonantes,
Atando-me ao corpo constante.
De paixões desconcertantes,
Que veio em forma de um turbante,
Desmaiando em sopros de espumas
perfurantes.

=)

Grupo Cero VersoB disse...

"um nada comum"

é o que nos entrelaça

poetas do vincouro

poetas do século XXI

nada nos é comum...

um nada comum... nos entrelaça
e nos faz zarpar até o futuro

berço
do amanhecer
poético...

vens, noite
e te agradeço
àpoeisa
apollinaire

versos outros
escrevemos
e vivemos

outros

versos

dizeres alheios

que nos entrelaçam
que nos ETlançam

alhures

aqui
e
agora

o verso
verto
vento
e letras
do cosmopolitano
cosmos
nos inspiram
nos entrelaçam

inimigas da bruxa

agora amigas
da diveresão
da dimensão outra

bruxaria

é que tem hav er com

ilustramos a desilusão

perante o nada
...
qualquer coisanos alimenta um futura...
foturo luminoso e radiante
frente aos obescursos obejtos do desejo...TCHAU!!!!!

Jordano Casanova disse...

Que jogo de palavras bacana!!!hehehe
Gostei muito do ritimo ~das palavras!

Jordano Casanova disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
J. Kumamoto disse...

Tu que pensa que eu tô longe!