sábado, 28 de agosto de 2010

Branca Agonia

A folha em branco é a agonia da não escrita.
É amarração da linha que não quer se desdobrar em verso.
É reverso que não acontece.
É ausência da alegria do verso colorido.
É massacre que faz do tempo inimigo.
É grito mudo, vontade tímida.
É corpo vestido que quer se rasgar na nudez.
É a busca da rima fracassada.
É o sufoco humano que quer transbordar.
É medo do encontro com o que está atrás do espelho.
É o não sentir em paradoxos.
É o não encontro das antíteses.
É a agonia branca que não se desfaz.

E. Alvarez

8 comentários:

Igor Von Richthofen disse...

Boa forma de descrever essas lacunas angustiantes moça

Letícia Palmeira disse...

Eve,

Já dizia Bukowski que se tentar escrever e nada surgir, esqueça. Tente outra coisa. Mas aqui a folha em branco foi preenchida por uma voz. Você criou a poesia da mudez. Por isso eu digo que há uma escritora tímida querendo existir. Within you.

Bravo.

Ric disse...

Linda poesia.

VaneideDelmiro disse...

Fiel e poética descrição de uma agonia que nos deixa, literalmente, sem palavras.
Olá!

Wellington Júnior disse...

Fazia tempo que não lia o seu blog. Mas cada vez que apareço aqui me defronto com uma escritora mais amadurecida.
Você está de parabéns, Eveline. E retifico o que disse na sala. Pode até ser uma honra receber elogios do nosso futuro (espero) governador Ricardo Coutinho. Mas com certeza é uma honra pra ele e para nós ter acesso a essas suas palavras poéticas.

Eita, que eu tô muito babão. Vou parar por aqui.
rsrsrsrs

Pura poesia, começando até pelo nome do blog.

Priscila "Six" Rodopiano disse...

Eu sempre relato essa agonia como semelhante à de quem tem prisão de ventre:
o papel em brando é a agonia do poeta e de quem tem prisão de ventre...
Meu alunos mais espertinhos e que estão prestando atenção sempre riem... Já os outros, ou estão viajando/conversando, ou não entendem mesmo... sentimos muito, né??
=P

Halysson Britto disse...

Prima, como é que voce deixa o seu blog ao Relento mesmo?? =P Xeruu pra tu!

Me disse...

Depois de um tempo sem vir aqui ler teus belíssimos versos, achei que não poderia achar algo melhor do que outrora vira, mas vc me faz entender que escrever é sempre mais um passo nessa longa estrada da vida e sempre há algo novo pra se ver e sempre será algo diferente, na maioria das vezes melhor do que se esperava... muito bom te ler...

Pax
¬¬